domingo, 31 de agosto de 2014

P/REFLETIR: TRISTE SERTÃO


Triste Sertão
Adeus meu nobre sertão, 
Trarei na face tuas marcas eternas, 
Que escreves ao sol em almas sinceras, 
Que se dispersam no mundo por judiação. 

Deixo o sertão, 
Mas hei guardar saudade, 
Do meu pequeno sítio ou da cidade, 
Lugar que plantei o meu coração. 

Deste chão sem água, 
Do gado magro da sorte ingrata, 
Do mato seco e das velhas casas, 
De terras abandonadas por tantas magoas. 

Terra que se vê na televisão, 
Desse Nordeste que nos entristece, 
Torna-se notícia quando nada floresce, 
E homens exauridos por lutar em vão. 

Sertão árduo, seco, sofrido e inculto, 
Homens guerreiros não hão de aqui viver, 
No sonho de trabalhar e da terra sobreviver, 
No lugar que manda o político corrupto. 

Da politicagem surgiu a fome do sertão, 
Pois a sobrevivência nessa região, 
Só depende das chuvas, 
As autoridades imergem na corrupção, 
O sertanejo padece com suas rugas. 



FRASE DA SEMANA: CRISE


Crise
 Não espere por uma crise para descobrir o que é importante em sua vida.
 (Platão)

HUMOR: COMÍCIO EM BECO ESTREITO


Comício em Beco Estreito (Jessier Quirino)

"Pra se fazer um comício
Em tempo de eleição
Não carece de arrodei
Nem dinheiro muito não
Basta um F-4000
Ou qualquer mei caminhão
Entalado em beco estreito
E um bandeirado má feito
Cruzando em dez posição.
Um locutor tabacudo
De converseiro comprido
Uns alto-falante rouco
Que espalhe o alarido
Microfone com flanela
Ou vermelha ou amarela
Conforme a cor do partido.
Uma ganbiarra véa
Banguela no acender
Quatro faixa de bramante
Escrito qualquer dizer
Dois pistom e um taró
Pode até ficar melhor
Uma torcida pra torcer
Aí é subir pra riba
Meia dúzia de corruto
Quatro babão, cinco puta
Uns oito capanga bruto
E acunhar na promessa
E a pisadinha é essa:
Três promessa por minuto.
Anunciar a chegança
Do corruto ganhador
Pedir o "V" da vitória
Dos dedo dos eleitor
E mandar que os vira-lata
Do bojo da passeata
Traga o home no andor.
Protegendo o monossílabo
De dedada e beliscão
A cavalo na cacunda
Chega o dono da eleição
Faz boca de fechecler
E nesse qué-ré-qué-qué
Vez por outra um foguetão.
Com voz de vento encanado
Com os viva dos babão
É só dizer que é mentira
Sua fama de ladrão
Falar dos roubo dos home
E tá ganha a eleição.
E terminada a campanha
Faturada a votação
Foda-se povo, pistom
Foda-se caminhão
Promessa, meta e programa...
É só mergulhar na Brahma
E curtir a posição.
Sendo um cabra despachudo
De politiquice quente
Batedorzão de carteira
Vigaristão competente
É só mandar pros otário
A foto num calendário
Bem família, bem decente:
Ele, um diabo sério, honrado
Ela, uma diaba influente
Bem vestido e bem posado
Até parecendo gente
Carregando a tiracolo
Sem pose, sem protocolo
Um diabozinho inocente".

sábado, 30 de agosto de 2014

quinta-feira, 28 de agosto de 2014

NOSSA LÍNGUA... DE FORMA CORRETA: TV EM CORES OU TV A CORES


Qual a forma certa: "televisão em cores" ou "televisão a cores"? 
Essa pergunta é muito frequente.
A televisão é em preto-e-branco.
A televisão é em cores.

Isso é indiscutível. Há um ou outro autor que argumentam que "a cores" se impõe pelo uso. Se você não quiser gerar discussão, opte por televisão "em cores", forma absolutamente correta.
O filme é em preto-e-branco.
O filme é em italiano.
O filme é em preto-e-branco.
O filme é em cores.

Lembremos que, se fosse aceita a forma "a cores", jamais esse "a" poderia receber acento indicador de crase porque "cores" está no plural e, portanto, o "a" é tão somente preposição, e não preposição acompanhada de artigo. 

Seja como for, a expressão considerada pela quase totalidade dos gramáticos é "televisão em cores".

Fonte: TV Cultua – Alô Escola


quarta-feira, 27 de agosto de 2014

CONVITE DE MISSA PELOS 03 ANOS DE FALECIMENTO DE ANTÔNIO TORRES DE ALMEIDA


Os familiares de Antônio Torres de Almeida mais conhecido como Antônio Lúcio, convidam parentes e amigos para participarem da Missa de 03 anos de seu falecimento, que por intenção a sua alma será celebrada neste domingo, dia 31 de agosto de 2014, às 09 horas, na Matriz de São José. A família agradece a todos que comparecerem a este ato de fé e solidariedade Cristã.

PERNAMBUCANA ARRETADA: CARMEM VERÔNICA


Carmelita Varella Alliz Sicart, mais conhecida como Carmem Verônica nasceu no Recife no dia 12 de junho de 1933, é uma atriz e ex-vedete brasileira.
Nos anos 50, Carmem foi uma das vedetes mais belas e cobiçadas do país. Ficou por dez anos na lista das "Certinhas do Lalau", escrita pelo jornalista Sérgio Porto (Stanislaw Ponte Preta) que elegia as maiores beldades do país.
Carmem ficou conhecida nos anos 50 como a "Rainha da Frescura" devido à sua voz melosa, suas piscadelas de cílios e o jeito mole de falar.
É conhecida também pelos bordões, tanto o de suas personagens como os próprios, e por frases suas irreverentes, como "a bunda cai, mas o talento fica". Em 1992, ela popularizou "Oh, darling!" com a Xena; ,"Oooooh, Môôôôôônicaaaa!", de Mary Montilla e "Ô prima você é otima" da Prima Rica e também "Chichanellll".


A parceria com Íris Bruzzi em os "Furacões de Cuba", como são conhecidas as personagens delas em Belíssima, agradou ao público.
Carmen Verônica fez uma participação em “Paraíso tropical” como Mary Montilla. Foi a primeira vez que uma personagem criada por outro autor aparece numa novela. Trata-se de uma homenagem de Gilberto Braga ao grande amigo Sílvio de Abreu.
É casada há mais de 50 anos com o industrial francês Jacques Sicart.



Fonte: Wikipédia

terça-feira, 26 de agosto de 2014

MENSAGEM DE AMOR


"A felicidade de quem ama é revelar-se progressivamente à amada."
 (Anônimo)

SALMO 114


1. QUANDO Israel saiu do Egito, e a casa de Jacó de um povo de língua estranha,
2. Judá foi seu santuário, e Israel seu domínio.
3. O mar viu isto, e fugiu; o Jordão voltou para trás.
4. Os montes saltaram como carneiros, e os outeiros como cordeiros.
5. Que tiveste tu, ó mar, que fugiste, e tu, ó Jordão, que voltaste para trás?
6. Montes, que saltastes como carneiros, e outeiros, como cordeiros?
7. Treme, terra, na presença do Senhor, na presença do Deus de Jacó.
8. O qual converteu o rochedo em lago de águas, e o seixo em fonte de água.

domingo, 24 de agosto de 2014

FRASE DA SEMANA: IMAGINE


Imagine
Imagine uma nova história para sua vida e acredite nela.
(Paulo Coelho)

HUMOR: CADA UM CONTA O "CAUSO" COMO QUÉ


Cada um conta o "causo" como qué (do folclore nordestino)

Quem me contô lembra o dia, lembra mês e inté a hora.
Ansim cumeça a história...
O padre escoía a dedo, nos moradô do lugá
quem tivesse memo jeito, de falá, representá, 
levando eles pra capela, onde eram maquilado...
Jesuis, Maria, Pilato, Madalena e os sordado,
iam tudo cumo artista, muito bem fantasiado.
A rua atupetada e pra ninguém trapaiá,
ponhavam corda amarrada, mode o cortejo passá,
da igreja inté o Carvário, onde a festa ia findá,
com o Cristo preso na cruiz, pra amá a Deus integrá.
Munto bem, cumeça a história,
que me contô o cumpade, de Jesuis de Pirapora:
O centurião marvado era um tar Sebastião,
que já lá na sacristia, iante da prucissão,
tomou um litro de vinho que era do capelão.
Intão pra representá, na hora da incenação,
ele batia a valé im Jesuis, que era o Chico;
e o Chico intão, resmungava tapando a boca cá mão
prô povo num percebê.

Bastião, vai mais devagá, tá cumeçando a doê...
tá sangrando de verdade, meu juêio tá ralado,
desse jeito eu morro ante de ficá cruxificado.
Madalena cum uma toáia, limpa o rosto de Jesuis,
que recrama do cansaço, e do peso daquela cruiz
e da força do Bastião, que batia i inda se ria
e pru mais que ele pedisse, fingia que num uvia.
Madalena ouviu a queixa e foi falá pro marvado:
Tião nem deu confiança à Madalena, inda feiz
marcriação – Que Cristo fubéca é esse, que chora
na prucissão? Cristo que eu sei era forte, dava
exempro prus cristão.

Té que eu tô batendo fraco...ele vai vê o que é bão
na subida da ladêra im frente do bar do João.
E foi indo e foi subindo...o Chico levando côro,
cô chicote do Bastião.

Na subida do Carvário...um grito na murtidão...
um corre-corre medonho, uma baita confusão.
Jesuis jogô longe a cruiz e se atracô cô Bastião.
Foi soco, foi cabeçada, pancada de tudo lado,
Maria levô rastêra, Madalena e os sordado
rolando tudo imbolado...Pilato levô um tranco,
e ficô desacordado.
Dimas o bão ladrão, levô tamanha bulacha, do bondoso
São José, que inté hoje inda num achô a dentadura
novinha que ponhô prá naugurá, no dia daquele racha.

Aos pouco o povo apartô, cada santo prô seu lado.
O Bastião perdeu dois dente, teve de sê medicado,
Pilato quando acordô, tava inté meio aluado
lavô as mão e a cara, cuntinuô abobado.
Quando chegô o delegado foi tudo levado imbora,
e foi mudada a história, nesse dia im Pirapora.

Pela primêra vez, desde que o mundo foi criado,
o Cristo foi pra cadeia, num morreu cruxificado.

(BOLDRIN, Rolando. Empório Brasil)