sábado, 17 de dezembro de 2016

MALAFAIA DIZIA AOS FIÉIS QUE SUA IGREJA ENFRENTAVA GRAVE CRISE FINANCEIRA


Suspeito de envolvimento em um milionário escândalo de fraude e lavagem de dinheiro, levado coercitivamente pela PF nesta sexta-feira, o pastor Silas Malafaia passou os últimos meses se queixando da falta de dinheiro.
Malafaia esteve atolado em renegociações de dívidas da igreja, enfrentou uma queda brutal nas vendas de seus livros e de sua editora, além de uma tal redução nas colaborações (dízimos) que ele já via ameaçada a continuidade de sua congregação.
Pelo menos é isso que esse milionário empresário e pregador , citado pela "Forbes" em 2013,  dizia ao seu círculo mais próximo dentro da congregação Vitória em Cristo, igreja que ele comanda e que conta com cerca de 10 mil membros (a igreja diz que são 13 mil).
Segundo Malafaia, por causa da crise financeira que o Brasil vem atravessando nos últimos tempos, estava faltando dinheiro para pagar aluguéis, fornecedores e muito menos o caro horário que alugava na RedeTV!.
As igrejas, dizia, estavam sendo muito afetadas pelo desemprego e pela falta de esperança dos brasileiros.
O atraso no pagamento chegou a fazê-lo perder temporariamente o programa na RedeTV, retomado após renegociação
Em crise, o pastor iniciou uma campanha para arrecadar mais fundos junto aos fiéis. “Ajude a espalhar a nossa palavra”, bradava ao público, insistindo por doações para manter a custosa “televangelização” (ele também tem um horário dominical na Band).
Não é possível vaticinar se a coerção da PF desta sexta (16) terá algum efeito sobre a congregação para a qual Malafaia prega.
Em outros escândalos envolvendo missionários brasileiros --como o casal Hernandes, da Renascer, ou o apóstolo Valdemiro da Mundial--, os fiéis até estremeceram, mas não desapareceram após as denúncias.
Na abertura de sua apresentação na internet, Malafaia explica professoralmente que:
“os princípios e os valores éticos, morais e espirituais da Igreja de Cristo são a sustentação para um ministério atuante em segmentos fundamentais para a divulgação do evangelho, como as áreas televisiva, editorial e fonográfica.”
Para quem tem tal discurso, cabe agora ao senhor Malafaia se explicar não só com a PF (ou com Deus). Vai ter de se explicar para a Receita Federal.
Fonte: UOL TV e Famosos