segunda-feira, 27 de março de 2017

LÍDER DA CARRAPICHO SE EMOCIONA NO 'DOMINGÃO': 'QUANDO A PRODUÇÃO LIGOU, TOMEI UM SUSTO'


Nos anos 90, se você não cantou, certamente em algum momento requebrou “bate forte o tambor, eu quero é tic, tic, tic, tic, tac.” Não? Tem certeza? O grupo Carrapicho liderou as paradas de sucesso no Brasil e no mundo e entrou para as paradas da Billboard. A fama, no entanto, foi cruel com o grupo amazonense e, no Brasil, Zezinho, líder do grupo, sentiu que de certa maneira a banda foi um pouco esquecida.

Zezinho chegou a se questionar se havia tomado as decisões certas para encaminhar o grupo. Mas ao ver o telefone tocar e do outro lado estar a produção do Domingão do Faustão, ele viu os olhos brilharem novamente, como “nos velhos tempos”. Com um compromisso agendado no Acre, o grupo desmarcou a ida até o estado para se apresentar no Domingão. “Eu sempre fui fã do Faustão, não poderia não vir.”

Residentes da França durante sete anos, o grupo viu a carreira se estabilizar por lá e o peito ficou apertado de saudades do Brasil. “Mas hoje, no ensaio do Domingão, vimos tudo igual como era antes, todo mundo cantando junto.”


Emocionado, Zezinho disse que recentemente gravou seu primeiro DVD e ainda sente o mesmo frio na barriga ao subir no palco. E quem acha que ele se queixa do “possível esquecimento”, ele dá a volta por cima, com os pés no chão, “como um bom descendente de índio”. “Acho que é muito natural que isso tenha acontecido. O tempo não para e as pessoas almejam coisas, sentem uma ansiedade de se redescobrir, assim como o artista também.”

Fonte: G1