sexta-feira, 31 de março de 2017

RAUL GAZOLLA FALA DE RELAÇÃO COM GLORIA PEREZ: "MINHA FILHA A CHAMA DE AVÓ"


Raul Gazolla está de volta à Globo após 12 anos. Longe da TV desde "Milagres de Jesus", da Record, em 2014, ele retorna à emissora em "A Força do Querer", de Gloria Perez, que estreia na próxima segunda-feira (3), na faixa das 21h.

Na trama, ele interpreta Allan, técnico de MMA que treina Jeiza, a personagem de Paolla Oliveira. "Ela foi uma grata surpresa, ela é incrível, muito doce, meiga, como minha filha diz, ela é muito fofa", derrete-se.  

Viúvo da atriz Daniella Perez, filha da novelista, o ator de 61 anos falou da relação com a ex-sogra.   

"Minha filha chama a Gloria de avó. Temos uma relação maravilhosa, mantemos contato. Sou muito grato por ela ter me convidado para fazer essa novela maravilhosa", diz Gazolla, que é casado com Fernanda Loureiro e pai de Rani, 14 anos.   

Sobre a morte de Daniella, ele lembra que recebeu muitas cartas psicografadas, mas que não acreditou serem dela e explica o motivo.

"Todas as cartas que recebi eram falsas. A única que talvez pudesse ser não dizia nada demais. A Dani sempre assinava o nome dela com dois L e o Perez com z no final, então quando eu recebia qualquer carta, eu já olhava o final para ver a assinatura, se não tivesse desta forma, lia só por educação, mas sabia que não era ela." 

Filha de Gloria Perez, Daniella foi morta pelo colega de elenco da novela "De Corpo e Alma", Guilherme de Pádua e pela mulher dele, Paula Thomas. A atriz tinha 22 anos.

"Sonhei com ela algumas vezes, ela nunca dizia nada, mas aparecia bem. Tem tempo que não sonho e acho bom porque, como sou espiritualizado, acredito que desta forma ela esteja bem no plano dela", explicou Gazolla. 

Ele não quis opinar sobre o terceiro casamento de Guilherme de Pádua no dia 14 de março. "Prefiro não falar sobre assassinos."

O ator revelou ainda que uma experiência mudou sua vida. "Dou palestras motivacionais e falo sobre minha superação de três princípios de infarto, que serviram para eu ter ainda mais força de viver. Quase morri há 7 anos e só pensava na minha filha. Pedi a Deus uma chance para continuar vivo pois ela ainda precisava muito de mim", conta.

Fonte: UOL